No ritmo do tum

No ritmo do tum

Acorda cedo, faz ginástica, mas não se atrase para engolir o café e cair na marginal. Reunião, atrás de reunião para discutir o discutido e agendar uma próxima discussão. Almoça depressa porque depois tem mais. Tempo para ouvir e ver, esse não sei quem tem não, meu rapaz. A cidade que não dorme, será que Leia mais …

Sobre o Rio Arapiuns

Sobre o Rio Arapiuns

Muito navegado em nossa primeira excursão, esse tem sua foz em cima da cachoeira Aruã e tem como afluentes ; a esquerda o rio Tapajós, rio Branco e a direita o rio Maró.Sua bacia esta localizada na porção oeste do município de Santarém entre as bacias do Tapajós e do Amazonas, ocupando uma superfície aproximada de 7.064 Leia mais …

Esmero

Esmero

E o que seria da gente se não fosse nosso amigo Márcio Halla, um parceiro empenhado em nos ajudar e fornecer inúmeras informações sobre a região, desde geografia, cultura, política e sociedade. Graças a seu engajamento com o turismo de conhecimento e seu interesse pelas causas sociais das comunidade, pudemos acessá-las facilmente e sermos vistos Leia mais …

Coroca

Coroca

Coroca. Palavra indígena que define: 1. Volta ou nó na linha de pesca. 2. Caduco; decrépito. 3. Pessoa muito velha. Em Tupi-Guarani significa literalmente “resmungar, sussurro”. E lá se vive da pesca e se vive de conhecimento passado de geração a geração através da oralidade dos caducos e decrépitos e muito velhos. As crianças vivem Leia mais …

Artesanato de Palha de Tucumã

Artesanato de Palha de Tucumã

Árvore da família das palmeiras, ela chega a medir de 10 a 15 metros de altura, nativa da região Amazonas, suas folhas fornecem uma fibra resistente utilizada no artesanato para fazer trançados e desenhos que representam a cultura tapajônica e marajoara. As mulheres das comunidades ribeirinhas da região de Santarém – Pará, colhem as hastes Leia mais …

Esse cara é o Tapajós

Esse cara é o Tapajós

De uma turma tão mista, eis que finalmente conseguimos concretizar um dos nossos maiores desejos: dar uma cara às nossas águas, aos nossos rios. O Tapajós era um cara, um cara não, “o cara” articulado. Sabia das histórias de quase toda a comunidade, sempre com um “causo” para contar, mas não era qualquer “causo” não. Leia mais …

Feliz dia das crianças

Feliz dia das crianças

Era dia das crianças. Mas para mim era dia Do Professor Benevan, uma alma tranquila e inquieta ao mesmo tempo. Organizou com muito carinho uma festividade para os seus alunos. Bolo e refrigerante. Cinco visitantes inesperados fizeram a diferença. Recusar ofenderia por constrangê-los e aceitar uma ofensa por desfalcá-los. Tudo contadinho, mas primorosamente realizado. A Leia mais …