No ritmo do tum

No ritmo do tum

Acorda cedo, faz ginástica, mas não se atrase para engolir o café e cair na marginal. Reunião, atrás de reunião para discutir o discutido e agendar uma próxima discussão. Almoça depressa porque depois tem mais. Tempo para ouvir e ver, esse não sei quem tem não, meu rapaz. A cidade que não dorme, será que Leia mais …

Pé sujo

Pé sujo

Algumas vezes me pego pensando sobre as pequenices que vivi naqueles dias de expedição. Tal qual passar o dia fitando os pés dos ribeirinhos e os nossos, pois não me conformava em terminar o dia com pés imundos e o deles limpinhos como começaram. Todos usávamos chinelos. Infelizmente não aprendi tal façanha, mas divaguei sobre Leia mais …

Através do seu olhar

Através do seu olhar

Uma das premissas do projeto é abrir espaço para que os ribeirinhos possam mostrar seu cotidiano através de seu próprio olhar. Foi com base nessa premissa que sentimos a necessidade de oferecer a eles uma oficina de fotografia, bem como, doar ao menos uma máquina fotográfica, cartão de memória e pilhas recarregáveis. Na oficina, além Leia mais …

Coroca

Coroca

Coroca. Palavra indígena que define: 1. Volta ou nó na linha de pesca. 2. Caduco; decrépito. 3. Pessoa muito velha. Em Tupi-Guarani significa literalmente “resmungar, sussurro”. E lá se vive da pesca e se vive de conhecimento passado de geração a geração através da oralidade dos caducos e decrépitos e muito velhos. As crianças vivem Leia mais …

O valor de uma imagem

O valor de uma imagem

Uma imagem vale mais que mil palavras. Vale mesmo! E sabe por quê? Porque uma imagem pode ser interpretada com tantas nuances diferentes que mesmo com mil palavras cada um de nós não seria capaz de descrevê-la igualmente. Por que não? Porque interpretamos tudo o que vemos com base nas nossas referências adquiridas ao longo Leia mais …

Fui feliz, de novo

Fui feliz, de novo

No barco fez-se leito e fez-se banho. Fez-se também a ceia, fez-se o nosso canto. Pensar que ali no meio da imensidão das águas um pequeno espaço fez-se múltiplo. Multifuncional. Aqui na cidade, mergulhados em meio ao consumismo criado por nós, precisamos de espaço para almoçar, outro para o jantar, um quarto para dormir, outro Leia mais …

Esse cara é o Tapajós

Esse cara é o Tapajós

De uma turma tão mista, eis que finalmente conseguimos concretizar um dos nossos maiores desejos: dar uma cara às nossas águas, aos nossos rios. O Tapajós era um cara, um cara não, “o cara” articulado. Sabia das histórias de quase toda a comunidade, sempre com um “causo” para contar, mas não era qualquer “causo” não. Leia mais …

Feliz dia das crianças

Feliz dia das crianças

Era dia das crianças. Mas para mim era dia Do Professor Benevan, uma alma tranquila e inquieta ao mesmo tempo. Organizou com muito carinho uma festividade para os seus alunos. Bolo e refrigerante. Cinco visitantes inesperados fizeram a diferença. Recusar ofenderia por constrangê-los e aceitar uma ofensa por desfalcá-los. Tudo contadinho, mas primorosamente realizado. A Leia mais …

O dia “D”

O dia “D”

Sempre chega o dia “D”. De realizar o sonho, colocar em prática o planejado e, o melhor de todos, em minha humilde opinião, “D” ver que tudo pode ser diferente. Após meses de reuniões em cafés, via skype, emails, planilhas e apresentações, finalmente havia chegado a hora de arrumar as malas e deixar o sonho Leia mais …